quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Alvarinho I

( cultivo de Alvarinho na Austrália )

Titulo este texto "Alvarinho I " porque estou a preparar um conjunto de apontamentos mais ponderados sobre esta casta.

Nos próximos anos vamos assistir ao aparecimento de Alvarinhos de todo o lado. Só quem insista em manter os olhos fechados não o percebe. Aqui na região serão cada vez mais Alvarinhos regionais. Ainda hoje me ofereceram 3 garrafas de uma nova marca e está-se a plantar muito Alvarinho. No resto do pais, serão regionais e DOC's. E não esquecer o vinho de mesa com indicação de casta que aparecerá na próxima vindima. E pelo mundo fora, é o que vê na foto em cima. Ainda há pouco tempo esteve aqui e na Galiza a equipa de viticultura de uma das maiores empresas da Nova Zelândia. Vieram conhecer a casta para a plantar.

Para defender a região, e obviamente para defender os produtores de Monção e Melgaço, temos de discutir serenamente esta questão. Será que somos competitivos ? será que temos marcas e empresas fortes no Vinho Verde Alvarinho ? como aumentar as vendas e sobretudo a exportação ?

Tenho comigo um estudo de mercado muito interessante que foi feito pela escola de negócios da Caixanova de Vigo para os nossos colegas da DO Rias Baixas e outros trabalhos. Em breve coloco aqui alguns contributos para essa reflexão serena.

Entretanto, clique na imagem para ler o artigo original e muito obrigado ao produtor que f.f. de o enviar.

5 comentários:

Anónimo disse...

Como de costume, o "Português" segue no seu fiat 500 a "estonteante" velocidade na faixa da esquerda da autoestrada global com 6 faixas de rodagem, convencido que nimguém o ultrapassa enquanto todos os outros, galegos, catalães, australianos e demais gente do mundo passa pelas outras 5 faixas à sua direita e, o mais engraçado é que o "Tuga" não os viu e jura que ninguém o passou, simplesmente porque ele segue na faixa da direita.
Curiosamente, é-nos proibido passar o Portugues, apenas porque também o somos.
Tudo boa gente...
Quando lá chegarmos já os outros apanharam outra AE...

Manuel Pinheiro disse...

Caro "anónimo". Para evitar as bocas ( já ouvi várias ) de censura, publiquei o seu comentário. Porém não era mau que (a) se identificasse e (b) dissesse em detalhe o que critica e o que propõe. E já agora uma directa: não critique o Fiat 500, carro histórico do pós guerra italiano. Se você for quem eu acho que é, o bem queria ter um 500 Abarth para dar umas curvas, não era ?

JBMOURA disse...

Suspicions that most of Australia's estimated 150ha of Albariño are Savagnin Blanc have been confirmed.

The finding follows comparison of DNA samples from Australian plants with samples from Albariño and Savagnin Blanc plants in the National Germplasm Collection in Spain.

The Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation (CSIRO), which has distributed most of the suspect plants
The tests were conducted after French ampelographer Jean-Michel Boursiquot last year suspected that 'Albariño in the Barossa Valley was Savagnin Blanc, a suspicion confirmed by DNA tests in France.
In www.decanter.com (http://www.decanter.com/news/280606.html)

Joao disse...

Quando cheira a euros, todos querem comercializar um vinho que durante muito tempo marginalizaram. Acho muito bem que a denominação continue restrita ao concelhos de Monção e Melgaço. O resto são invenções.
Tenho dito

Manuel Pinheiro disse...

João,o seu comentário é bem vindo mas as próximas semanas vão provar-lhe que está a simplificar a questão. Muito em breve serão os produtores da sub-região a querer abrir e os de fora a dizer que agora é tarde.