sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Produções 2008


Aqui estão as produções do ano. Um pouco mais do que o ano passado, embora com alterações dignas de registo. Uma importante é no mosto. Quase o dobro de 2007, neste momento já produzimos muito mais mosto do que vinho regional. Vale a pena proximamente debater esta questão do mosto sob o ponto de vista técnico. Pelo que sei, há uma corrida das empresas/cooperativas da região à compra de dessulfitadores.

O rosado aumenta, no Verde e no regional. Porém atenção ( ver texto de há alguns meses ) pois o aumento do mercado de rosado está aquém dos aumentos de produção. E note que temos 400.000 litros de mosto rosado Verde.

Finalmente, a questão que todos nos pomos é: este vinho é suficiente ?

Para simplificar, o cenário apenas do branco.

Em primeiro lugar, vamos determinar qual é o vinho que está efectivamente disponível para venda. No caso do branco temos 7.872.611 de mosto, a que acrescem não os 47.275.341 que tem em cima, mas sim 43.655.282, pois há que considerar o autoconsumo dos produtores já declarado na DCP. Em "contas de merceeiro" temos pois que o vinho branco disponível para venda é de aproximadamente 51 milhões de litros, a que ascrescem uns aprox. 15 milhoes de litros de vinho do ano passado em stock à data da vindima.

E quanto venderemos ?

A vendas de branco foram de 46M em 2005, 50M em 2006 e 55M em 2007. Este ano a curva de vendas tem vindo ao nível de 2006, ou seja um pouco abaixo da do ano passado. Quanto a 2009, da crise dependemos, e a minha opinião aqui é pouco optimista. É claro pois que o vinho disponível chega para estas vendas, mas não antecipo a evolução nos preços e qual o seu sentido.

Uma nota final. Na análise dos valores de stocks que a CVRVV divulga, tenha sempre em consideração que algum vinho se encontra na pequena produção. A pequena produção este ano são 26.000 pessoas: basta que cada uma tenha em casa uma pipa e já tem aí 13 M litros que realmente existem mas não estão no mercado pois não é fácil/económico recolher uma pipa aqui e outra ali.

Sem comentários: