quarta-feira, 29 de julho de 2009

Nos dias que correm, ter trabalho é uma boa notícia.

Pois eu não ando esquecido do blog. Ando é atulhado em trabalho, a correr, a correr, para ter tudo em dia para que na próxima semana possa estar em férias.


Assuntos em cima da mesa são muitos:

  • estamos a preparar uma operação muito interessante que vai libertar os produtores de virem entregar as amostras à CVRVV. Funcionará já a partir de Setembro e estou certo que vai ser uma óptima ajuda para evitar deslocações;
  • estamos a ultimar o planeamento de fiscalização da vindima, este ano com alguma novidades, uma da quais é a intervenção do Comando Fiscal da GNR que aceitou de imediato o nosso pedido de apoio. Amanhã, dia 31 o Conselho Geral analisa a proposta de planeamento e insere-lhe as alterações que melhor entender, pelo que na próxima semana já teremos novidades;
  • estamos com um problema enorme relativo ao cadastro da vinha. É um assunto que tratarei em detalhe mais tarde, mas aqui fica um apontamento. O cadastro da vinha da CVRVV é, tal como o do Douro, o único caso em que a região e o Ministério da Agricultura têm um só cadastro. No nosso caso, o cadastro é (era ) alimentado e actualizado pela DRAPN em ligação permanente com o sistema informático da CVRVV. Ora em Dezembro último, o Ministério da Agricultura "mandou" desligar o sistema da DRAPN e transferir a informação para o IVV, cujo sistema comunicaria com a CVRVV. Comunicaria... mas não comunica. O IVV está a desenvolver os programas informáticos para abrir esta comunicação mas neste momento temos alguns produtores, num número mínimo de 800 mas que poderá ir aos 2500 que vão ver os seus manifestos atrasados, pois trata-se de vinhas que tiveram alterações nos respectivos cadastros que ainda não nos foram comunicadas. Mais adiante escreverei, mas é uma dor de cabeça significativa e, como é tristemente habitual, são os produtores que pagam a factura.

1 comentário:

Anónimo disse...

Ola Boa tarde Dr. Manuel Pinheiro

Relativamente ao cadastro, aproveito para manifestar que a nível de elaboração de novas candidaturas ao programa VITIS estamos a ter imensos problemas na solicitação do arranque das vinhas velhas, pois o sistema da DRAP (IVV) esta muito lento, parta não dizer que está parado. infelizmente este é mais um exemplo de uma má gestão dos dinheiros de todos nós contribuintes. pois colocamos na gaveta (lixo) um sistema que estava a funcionar para pagar 10 vezes mais por um novo que simplesmente não funciona.
João Pereira
ACPB