quarta-feira, 14 de abril de 2010

As castas nos vinhos


Foi publicada hoje a legislação que dará corpo a um novo segmento de vinhos a lançar no mercado nacional e na exportação: os vinhos com indicação de casta e ano de colheita mas que não são pré-certificados com uma DO ou IG.

Manifestei-me ( a título pessoal e em representação da Região dos Vinhos Verdes ) desde o início em apoio a este segmento de vinhos, mas totalmente contrário à forma como ele foi construído. Estou convencido que o sistema de controlo que foi estabelecido é ineficaz e em breve seremos confrontados com clientes que adquiriram vinho que menciona uma casta no rótulo mas que realmente não é isso que se encontra lá dentro.

Admito porém que só duas associações nacionais criticaram a Portaria: todas as demais, aliás largamente maioritárias, a apoiaram.

Estamos num regime democrático, e ainda bem. Enquanto se fez o debate público sobre este novo segmento, manifestei-me publicamente, produzi documentos, dei o meu contributo. Mas também estamos num Estado de Direito, e ainda bem, pelo que a partir de agora trata-se de cumprir a lei.

De entre os muitos documentos que fomos produzindo ao longo do tempo, deixo aqui algumas para memória futura:


Clique em "vinhos de mesa" em baixo à direita para ler todos os artigos colocados no blog sobre este assunto.

4 comentários:

João Pereira disse...

felizmente que a casta Alvarinho, conseguiu alguma protecção, pelo menos para já, pois pelo que eu percebi, esta casta não pode ser mencionada na rotulagem dos vinhos de mesa? correcto?
Obrigado
João Pereira

Anónimo disse...

Que protecção? a unica protecção é para quem quiser fazer Vinho Verde Alvarinho devidamente certificado na Região dos Vinhos VErdes que não esteja em Monção / Melgaço. De resto posso fazer Alvarinho Regional em várias Regiões do País ou Mesa onde quiser...

Anónimo disse...

Não só não poderá ser mencionada em 85% da Região dos Vinhos Verdes, quanto ao resto é vinho de mesa como os outros (e será sem controlo e certificação...)

Manuel Pinheiro disse...

Caros leitores, Obrigado pelos comentários. Peço apenas que se identifiquem.

Uma observação apenas ao segundo anónimo. Mesmo sendo vinho de mesa ( tem toda a razão "sem controlo" ) o Alvarinho não poderá ser mencionado no rótulo.

Assim, para mencionar Alvarinho no rótulo a partir de agora, ele terá se ser Regional ou DOC no local de produção. Nada muda afinal.