sábado, 10 de julho de 2010

Um Alvarinho americano
e uma cooperativa à americana


O Peter Franus tomou conta das vinhas do Michael Heavens, o primeiro e simbólico produtor de Alvarinho na Califórnia. A vinha desda casta é pequena, menos de 2 hectares e funciona num curioso "condomínio".

A firma Laird, proprietária de vastas propriedades e de uma adega com moderno equipamento, arrenda parte das suas vinhas. É suposto que cada um destes rendeiros se concentre na comercialização dos seus vinhos, sendo que na produção ele dará muita ou pouca atenção, conforme quiser. Do mesmo modo, os rendeiros não fazem um investimento inicial. Foi assim que o Peter Franus arrendou uma área de vinha, cerca de 8 hectares ao todo, com várias castas e paga ( à tarefa ) ao Snr Laird o amanho da vinha, a vindima, a vinificação e o engarrafamento. Custos que variam pois conforme as suas necessidades. O Snr. Franus recebe os visitantes numa varanda esplêndida sobre as vinhas, mas nada daquilo é dele. Dele ( arrendado ) é só a vinha e um pequeno barracão vemelho de ferramenta e para se mudar. Tem 1 funcionário e nenhuma garrafa sai da adega a menos de 7 USD. Faz cerca de 12.000 garrafas/ano, é um micro produtor.

Encontra a ficha do Alvarinho aqui, um excedente vinho com três meses de madeira muito ligeira e elegante. Sendo pouco, o vinho esgota-se nos EUA e Canadá, mas em breve vai ter um importador no RU. O rendimento da vinha é de cerca de 8.000 kg por hectare e o preço das uvas ronda os 1.800USD por tonelada ( aprox 1,4 Eur / quilo ).


2 comentários:

Anónimo disse...

O seu blogue é interessante!!!
Há algum tempo fiquei com a sensação que o alvarinho era apenas da região do vinho verde. Como aparece na América? Não há ninguém que proteja esta casta?

Manuel Pinheiro disse...

Bom dia e obrigado pelo seu comentário aliás bem oportuno. O Alvarinho é uma casta de vinha. Não pertence ao Vinho Verde nem a Portugal. É pois uma casta de plantio livre em todo o mundo. Mesmo em Portugal há outras regiões onde o Alvarinho é produzido e engarrafado, por exemplo o Comendador Berardo tem algum na Quinta dos Loridos no Oeste. As únicas restrições que têm são curiosamente no Vinho Verde: o vinho ( ainda que eventualmente 100% ) Alvarinho não pode ser rotulado com esta casta se for Vinho Verde produzido fora de Monção e Melgaço. Deste modo, um produtor de Alvarinho em Amarante por exemplo o que fará é registar o seu vinho como Vinho Regional Minho e não Vinho Verde e assim já pode colocar Alvarinho no rótulo.

A limitação do Alvarinho no Vinho Verde a Monção e Melgaço é um dos assuntos mais discutidos e mais polémicos da região. Curiosamente, o que fez o nome de Monção ao longo da história foram os vinhos tintos. Os brancos e em particular o Alvarinho são do século XX.