terça-feira, 3 de setembro de 2013

Ecovia do Tâmega


Uma das etiquetas à direita dá-lhe acesso aos textos que fui fazendo sobre as ecovias que atravessam a nossa região.

O automóvel não é a única nem necessáriamente a melhor forma de conhecer o Minho e o Douro Litoral. A região é atravessada por várias ecovias onde pode caminhar ou pedalar em grande segurança e conforto além, naturalmente do Caminho de Santiago que inclui vários traçados, todos confinando em Valença.

Há dias tive a oportunidade de fazer pela segunda vez a Ecovia do Tâmega, deste Amarante até já muito próximo do seu fim em Arco de Baúlhe.

Inicialmente a ecovia tinha 9kms entre Amarante e a Chapa, cujo texto publiquei aqui. O percurso tem agora mais de 40 kms, todos muito confortáveis, bem pavimentados ( com excepção de 3kms em saibro em muito bom estado ).

Aconselho vivamente quem goste de pedalar a fazer este percurso. O ideal é fazer o sentido Amarante-norte que é a subir e regressar pela mesma via com menos esforço.

Se começar de Amarante, pode pernoitar em Basto onde há várias casas de turismo de habitação e bons restaurantes. A Casa de Canedo e, mais a norte, a Casa da Tojeira estão ambas próximas da pista. Pode também visitar Celorico e Mondim de Basto dado que a Ecovia passa bem no centro de cada uma destas vilas.

Ao longo do percurso não há muitos locais de abastecimento. Leve água. Saindo de Amarante, encontra um cafezinho ao lado da estação de Gatão ( que está recuperada, linda ) e depois só a 1 km de Celorico tem um café esplanada. A partir daí tem vários pontos de abastecimento no centro de Celorico, de Mondim, de Canedo e lá em cima no Arco de Baúlhe.

Além dos eucaliptos... o percurso atravessa uma linda paisagem florestal e de vinha. Atravessando Gatão encontra as vinhas do seu famoso tinto. Mais a norte começa a aparecer muito branco. As casas agricolas são pequenas com várias culturas em seu redor. Impressionante é a Sra da Graça ( na foto, com as vinhas da Aveleda ) e o Tâmega em fundo.

Na zona de Basto esqueça as zurrapas sem rótulo e prove os bons vinhos da região cujas vinhas atravessou: o Quinta da Raza, o Dom Diogo, o Santa Cristina, o Soutelos ( cuja adega se encontra à direita após Mondim ), Casa da Tojeira e o Aveleda cuja adega mãe está longe mas que muito beneficia com as uvas excelentes que aqui produz.

E já agora veja o filme que a Câmara de Celorico preparou.

 

Sem comentários: