terça-feira, 18 de março de 2014

Bolsa do Vinho Verde


A imagem acima é um excerto da página de classificados do endereço Winebusiness.com da qual fui buscar a ideia para a nossa Bolsa do Vinho Verde. Esta página de classificados é muito simples, anuncia vinho a granel e uvas para venda, sobretudo na Califórnia, e os respectivos preços. Para consultar, clique aqui. Vale a pena visitar e ver como está por lá o vinho e as uvas na época da vindima. Há muito boa gente que ficará surpreendida com os preços que lá se praticam. Por exemplo hoje está uma partida de 49.000,00 litros de Sauvignon Branc 2013 à venda por 1,7€/litro.

A nossa Bolsa do Vinho Verde teve por objectivo dar liquidez ao mercado de granel (passe o pleonasmo !). Na região temos mais de 15.000 produtores de vinho que vendem pequenas quantidades a granel. Há uma pirâmide de negócio que faz com que inumeras pequenas produções se vão juntando em operadores de granel e acabem nas poucas grandes empresas que fazem compras de granel para engarrafar. Somos, de longe, a região do país que mais movimentos destes tipo gera, anualmente mais de 20.000. Temos mapas mensais de movimentos. Só em Fevereiro por exemplo circularam da produção para o engarrafamento 409.000 litros de branco e 137.000 de tinto. E neste mês estivemos a controlar todos os trânsitos: foi mesmo trânsito de vinho !

A ideia era simples: havendo uma bolsa, os produtores teriam mais facilidade de valorizar e mais mercado para colocar a sua produção e os compradores teriam mais facilidade em descobrir o vinho na teia de milhares de pequenos produtores.

E sim, a bolsa conseguiu resultados, há lotes que entram e saem a cada semana. Como é habitual na nossa terra, há a maledicência do costume, mas os números são claros: há lotes que sistemáticamente entram no mapa e saem uma ou duas semanas depois. Passo a passo, a Bolsa ganha posição como pólo de negócios.

Deparamos agora com dois problemas curiosos e difíceis de resolver.

O primeiro é demonstrativo da estrutura empresarial com que nos defrontamos: a maor parte dos lotes são de bem menos de 5.000 litros. O mínimo que aceitamos é de 1000 litros mas há produtores que pedem e insistem para incluirmos na lista os seus lotes com apenas algumas centenas de litros. Lotes tão pequenos nunca encontram mercado. É economicamente inviável ir levantar 300 ou 400 litros. Inevitavelmente venderão ao desbarato ou deitam fora e depois são tentados a transaccionar o saldo. Depois por esta impossibilidade: é que há na região milhares de pessoas a produzir vinho ( sim, vinho e não apenas uvas ), a maioria das quais sem condições de qualidade que lhes permitam colocar no mercado de granel um produto aceitável. Pergunto se não faria mais sentido a esmagadora maioria destes limitar-se a produzir uvas, vende-las e parar aí a intergração do seu negócio. No que à bolsa diz respeito, convenço-me cada vez mais que temos de aumentar ( e não diminuir ) o lote mínimo. De nada vale ter 15 páginas de lotes para venda se poucos destes são acima de 2000 litros...

O segundo é que de facto há pouco vinho na produção este ano. Para aumentar o número de lotes disponíveis, estamos a escrever e a telefonar aos produtores que têm vinho em casa para venda. Portanto produtores não engarrafadores. Ora, ao elaborar a lista para os contactar concluimos que a região só tem 34 produtores com mais de 10.000 litros em stock; e 117 com mais de 6.000 litros. Ou seja, há pouco vinho na produção. Os volumes grande estão nas cooperativas e já no comércio engarrafador.

Valha-nos o S. Pedro para 2013 !

Para conhecer a lista actualizada da bolsa clique aqui ( demora um pouco a abrir )

Sem comentários: