sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Exportações até Outubro

Após um início de ano menos famoso, as exportações evoluíram muito bem e parece-me já claro que fecharmos o ano com números muito bons.

Clique na imagem para aumentar
O quadro tem a informação detalhada, mas aqui ficam algumas ideias que sobressaem:

  • no geral bem, estamos com crescimentos de 8% em volume e valor, embora isto implique que não estamos a aumentar em preços médios;
  • recuperamos finalmente muito bem nos EUA, após um início de ano muito hesitante; fracote porém em preços médios; pelo acompanhamento que fazemos, não está a verificar-se uma baixa de preços; o que se passa é que quem cresce são os vinhos mais competitivos, as marcas grandes, e o crescimento dos segmentos de valor é bastante curto;
  • bem, muito bem na França;
  • excelente no Brasil, andamos há vários anos a crescer de forma muito robusta;
  • fraca a Polónia.

Estou convencido que os dados finais do ano não hão de divergir muito disto. Fecha-se um ano muito bom em volume mas não tão confortável em preços médios, cujo crescimento é o objectivo de todos, produtores e CVR.

Para 2019 vamos ter novidades...

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Francisco Toscano Rico na CVR Lisboa




A eleição do Engº Francisco Toscano Rico, - por unanimidade - para presidir à CVR Lisboa encerra um animado período de renovação da equipa das instituições no sector, que nos trouxe alterações no IVV, no IVDP, na CVRBI e agora na CVRL.

Devo dizer que é uma excelente escolha. Conheci o Francisco quando estava no GPP mas, mais proximamente, quando esteve no IVV. Trabalhei de perto com ele em vários assuntos, sobretudo na renovação da lei 212/2004 e no dossier Alvarinho.

É um gestor muito metódico, conhecedor da política comunitária, com capacidade de diálogo e visão estratégica. Creio que nunca esteve no sector privado mas rapidamente se adaptará, nomeadamente à liberdade de gestão e a avaliação por objectivos que este encerra.

Foram semanas de mudança mas sei que o sector fica mais forte.



segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Os stocks pós vindima

Clique na imagem para aumentar

Divulguei há dias o resultado da vindima e aqui fica o mapa de stocks a  30 de Novembro já com a vindima adicionada às existências. Tanto falatório na vindima e afinal tudo é tão simples: as vendas estão robustas, a produção foi baixa, logo o stock desce.

No branco estamos com uma existência próxima dos 96 milhões de litros. É inferior à do ano passado mas folgada para o ano comercial que nos espera. Houve quem criticasse o controlo que fizemos a partir de Maio do ano passado mas mal. O stock vinha alto e era preciso manter rigor. Defendo que o mesmo deve ocorrer este ano.

Onde está este vinho? o segundo mapa ajuda-nos a perceber.



Clique na imagem para aumentar

Está fundamentalmente nas adegas e sociedades comerciais engarrafadoras. Na produção muito pouco. Também algum nos designados "produtores-engarrafadores" ou seja as "quintas".

Isto sucede porque cada vez mais os produtores, e bem, entregam as suas uvas, ao invés de fazerem vinho em casa. O mercado de "vinho na produção" tem vindo a diminuir e hoje, bem vistas as coisas, é insignificante: recorde que os 3,9 M litros de branco estão repartidos por quase dez mil produtores, cada um com um pequeno stock.

Temos pois tudo pronto para o ano de 2019. Há condições para respondermos à procura, talvez cm uma ligeiro ganho de valor.


sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Vinho + álcool + impostos



Escrevo esta página desde 2008. Procuro, naturalmente, ser credível no que escrevo. Nomeadamente evito andar a berrar "há lobo" sem motivo.

Em 2011 escrevi um artigo sobre a previsível aplicação ao vinho do Imposto sobre o Álcool no futuro. O artigo pode ser lido aqui. Não ocorreu até hoje, felizmente, Em 2016 voltei a escrever sobre o assunto, num artigo que pode ser lido aqui e que está no top de leituras de sempre deste blog com cerca de 2900 visitas porque foi partilhado em vários fóruns ligados ao fisco. Felizmente não aconteceu.

Não aconteceu mas, obviamente vai acontecer, é fatal como o destino

Recentemente, a Viniportugal promoveu um interessantíssimo debate sobre as questões do vinho e saúde em Coimbra, integrado no forum anual Wines of Portugal e um dos oradores mais marcantes foi o Dr. Manuel Cardoso, responsável pelo SICAD - Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências. Importa esclarecer que o vinho, como todas as bebidas alcoólicas são consideradas uma droga lícita e portanto sob atenção e intervenção prática desta entidade.

A intervenção do Dr Manuel Cardoso impressionou-me por três motivos. Em primeiro lugar pelos números dos efeitos do álcool no nosso país. Em segundo pela visão que tem de álcool e seu malefícios sem distinção do produto de origem. É o vinho ? as cervejas, os destilados ? para o orador é tudo álcool e igualmente tratado. Em terceiro, pela resposta que deu a uma pergunta que lhe coloquei: confirmou que o seu departamento do Ministério da Saúde está a estudar duas vias alternativas para reduzir o consumo de vinho: a imposição do Imposto sobre o Alcool ( IABA ) ou a imposição de um preço mínimo de venda, à semelhança aliás do que recentemente foi aplicado na Irlanda e na Escócia ( 5,00€ ).

Não carece de explicar porque é que a aplicação de qualquer destas propostas seria um desastre.

Esta perseguição do vinho leva-me ao assunto conexo: a defesa do consumo com moderação. Cada vez mais, nas minhas intervenções em público sublinho de forma mais dura a necessidade absoluta de o sector combater o abuso no consumo. De promover o vinho como um produto de cultura, com imenso para descobrir e por isso incompatível com o abuso.

Porém, não estou nada convencido que o sector dos vinhos esteja sensível para com esta questão. A forma como vejo ser tolerado o abuso em eventos promovidos por quem mais responsabilidade deveria ter é um bom exemplo.

Não se avizinham dias fáceis no que a este assunto diz respeito.

Nota: veja o powerpoint do orador do SICAD aqui.


quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Douro Verde: um problema sem solução ?

Foto: 1000 Curvas Fb 20/10

A designação "Douro Verde" tem sido usada para identificar a região que é simultâneamente parte dos Vinhos Verdes mas ribeirinha ao Douro, sobretudo o concelho de Baião. Aquilo a que antigamente se chamava a "zona de transição."

O uso do nome do rio na produção  turística foi ( creio ) lançado pela associação Dolmén e  faz todo o sentido. Desde logo porque Douro é uma marca forte e sobretudo fortíssima na vertente turística. Depois porque concelhos como Cinfães, Castelo de Paiva, Baião e Resende não são ribeirinhos ao Sado ou ao Zêzere. São ribeirinhos ao Douro. E é preciso fazer um esforço enorme para não se reparar que o rio está ali.

Não surpreende pois que tenha surgido a designação Douro Verde. Uma pesquisa no site no Instituto Nacional da propriedade industrial revela várias marcas incluindo "Douro Verde" das quais destaco a 473036 "Douro Verde Paisagens Milenares" registada em nome da Dolmen e "Douro Verde Vintners" ( registo em apreciação ).

Curiosamente nenhuma é simplesmente "Douro Verde". Das pesquisas que fiz, a marca "Douro Verde" não se encontra registada no INPI apenas nesta expressão mais simples. Na internet, o endereço douroverde.com abre a página da firma Transdouro, um operador turístico e o endereço douroverde.pt está registado, com titular confidencial mas não leva a página alguma. Sou capaz de adivinhar quem o registou...

O problema do "Douro Verde" não é porém o da promoção turística mas sim o dos vinhos. É que os produtores de vinhos daquela região pretendem usar a expressão na sua rotulagem e publicidade e estão impedidos por lei. Bem sabemos que o rio é assim que se chama, mas "Douro" é também a designação de uma DO. Ora, seja a legislação comunitária, seja a nacional proíbem expressamente o uso da designação de uma DO, neste caso Douro, em produtos que não cumpram o caderno de especificação dessa DO.

Temos portanto que os produtores de vinho nestes Concelhos pretendem usar a expressão Douro Verde e muitos estão já a usa-la na promoção turística das suas propriedades mas não a podem usar nos rótulos dos vinhos e sua publicidade.

Estou em crer que, sendo estas as balizas da questão, a solução está mesmo aqui. Douro Verde é assunto que alimentará dezenas de conversas de copo na mão mas que se resumirá sempre nisto: uma questão sem solução. E portanto está resolvida.

sábado, 1 de dezembro de 2018

A propósito do Rodolfo

Foto: FB RBQ

Rodolfo Baldaia de Queirós acaba de ser eleito para presidir à região vitivinícola da Beira Interior. Conheço o Rodolfo e o seu trabalho - sou parcial já sei - mas não hesito em afirmar que dificilmente se poderia ter feito melhor escolha. O Rodolfo tem um profundo conhecimento da Região que abraçou na vida pessoal e profissional, é um profissional sólido e dedicado e tem a necessária imparcialidade para dirigir o processo de certificação com credibilidade. Sucede aliás a um presidente admirável, João Carvalho ( Quinta dos Termos ), com visão e sentido de serviço e a quem a região muito deve. Porém a região tem de crescer e ganha agora velocidade. A Beira Interior é uma região com vinhos interessantíssimos mas com um reconhecimento do mercado que tem ainda imenso para se afirmar.

Quando entrei para este mundo das regiões demarcadas, nos anos 90, a maior parte das CVR's era dirigida por quadros do Ministério da Agricultura ou profissionais de proximidade ao poder político. Isto não é uma crítica ao seu trabalho, pois todos eles deram o seu melhor e vários foram grandes presidentes. Apenas refiro a origem das nomeações. Gente como Tomás Correia, Virgílio Dantas, Carvalho Ghira, Marcílio Gomes dos Santos, Clara Roque do Vale, Monteiro Simões foram essenciais para que as regiões dessem os primeiros passos, muitas delas em instalações do IVV.

Eram raras as excepções, uma delas a CVRVV. Eu fui "nomeado" ( na altura era assim ) representante do Estado pelo então Secretário de Estado Luís Medeiros Vieira ( sim, é o mesmo hoje ) no âmbito de um acordo celebrado entre as cooperativas e o comércio da Região que garantiu três presidências, as do Engº Gaspar Castro Pacheco, Dr José Emílio Pedreira Moreira e a minha. Independentemente das simpatias políticas de cada um, o que se passou é que a Região garantiu alguma autonomia na proposta de um nome que o governo da altura aceitaria.

Acabados os representantes do Estado em 2004 as regiões foram oscilando, primeiro no modelo de eleger produtores de referência, evoluindo recentemente, para a eleição de gestores profissionais, O Alentejo levou esta orientação mais longe: já fez duas escolhas por um processo de recrutamento típico do sector privado e o nome final foi votado em Conselho Geral.

Esta é, claramente, a tendência que se reforça a cada dia. Bem vistas as coisas, hoje mais de metade das CVR's são geridas por profissionais que não estão ligados a empresas e que respondem por objectivos de gestão. Incluo a CVR Dão que, apesar de ter uma Comissão Executiva de empresários, passou a ter um director geral profissional com poderes significativos.

Há uns tempos, escrevia por aí um produtor que os presidentes de CVR's deveriam ser pessoas que saibam podar. Talvez. A mim nunca me pediram que podasse, o que faria com gosto. O que me parece essencial em quem dirige uma entidade que faz certificação, promoção e fomento é que saiba fazer isto mesmo. Que tenha uma visão estratégica da região, que se relacione com quem pode apoiar a região, que facilite o debate interprofissipnal que perceba o contexto da UE que esteja atento aos problemas fiscais, ao dossier álcool, à evolução da técnica e que escute os mercados e os produtores. Diria que isso é mais urgente do que podar. Por último, as normas de certificação a que as CVR's se submetem são hoje taxativas: se o presidente de uma CVR for ele mesmo um produtor, está legalmente impedido de dirigir o  processo de certificação. Assunto pois esclarecido.

O Rodolfo corresponde exactamente ao perfil de um quadro muito bem formado e cuja objectividade de gestão está assegurada. Tem tudo para ter sucesso.

Curioso ou significativo é que, no ano em que entrei para o sector, o Presidente do IVDP ( à data IVP ) era um académico de prestígio da UTAD, Fermando Bianchi de Aguiar. Esta semana a nomeação do novo presidente do IVDP recaiu num colega com o mesmo perfil.

Algumas palavras, já que de memórias se trata, para recordar  nome de Gente Grande com quem tive o gosto de conviver e que não voltaremos a ver.

Armando Pimentel , que dirigiu o IVP em condições de saúde muito exigentes e com quem tive o gosto de, em Paris, fazer uma representação dos vinhos Portugueses junto dos colegas da UE.

Álvaro Marques de Figueiredo, histórico presidente da CVR Dão, líder de pulso que ia connosco a Lisboa reclamar com o então Ministro Arlindo Marques da Cunha, já não sei a que propósito. O Álvaro Figueiredo trazia sempre consigo um enorme molho de chaves ( deviam ser a de casa dele, calculo ) mas quando as discussões eram difíceis, punha-as em cima da mexa e exclamava "deixo já aqui as chaves da CVR". Geralmente corria bem. Nunca o vi regressar sem as chaves !

Virgílio Dantas, homem delicioso mas dotado de um feitio impossível, era natural da nossa região, de Lanhelas-Caminha, mas viveu sempre em Lisboa. Presidiu à CVR Cartaxo, que deu origem à hoje CVRTejo. Quadro do IVV ( e antes da Junta Nacional do Vinho ) era licenciado em Direito e Engenharia Agronómica. Foi absolutamente essencial no dossier vinho da adesão de Portugal à UE. Era meticuloso ao limite, o que levava à exasperação dos colegas. Um bem disposto porém. Tenho boa memória dele.

Tomás Correia. Convivi pouco com ele. Julgo que presidiu à então CVR Alenquer, Arruda e Torres, mesmo numa altura em que eu me iniciava na ANDOVI.

Marcílio Gomes dos Santos era assessor do Secretário de Estado da Agricultura e Presidente da CVR Península de Setúbal. Convivi pouco com ele porque a CVRPS não era membro da ANDOVI. Lembro um homem muito sereno, conhecedor dos dossiers.

Nelson Heitor, também presidente da CVRPS e por muitos recordado como o homem do PROAGRI, um programa essencial de apoio aos agricultores nos anos 90. Casado com uma Monçanense ( se a memória não me falha ) era apreciador de Verde tinto !

O Rodolfo, que motivou este artigo, não conviveu com nenhum destes Homens. É de um novo tempo e ainda bem.

Preparem-se, os vinhos da Beira Interior vão dar que falar !